sexta-feira, 22 de junho de 2012




A VIRGINDADE DE MARIA


Justino a chamou de “A Virgem”.
Pedro de Alexandria de “A Sempre Virgem”.
A Lumen Gentium 57 reza que Jesus, ao nascer de Maria,
"não diminuiu sua integridade virginal, mas a consagrou".
Ela é a mãe do Nosso Salvador.
Ela é a mulher que o Deus da Vida amou.

A concepção de Jesus no Segundo Testamento
não é uma simples geração...
mas uma nova criação.
Não é um fato biológico, mas ontológico,
não é tempo finito, mas eterno de Deus...
Ele é Filho do Eterno Deus.

A virgindade de Maria
é expressão de sua consagração total a Deus.
Maria é a única origem humana de Jesus,
como Virgem que se faz Mãe.
A origem divina não se refere ao Pai,
como princípio masculino,
mas ao Espírito Santo:
neutro em grego, em hebreu  feminino.

A  concepção virginal sinaliza:
Jesus – ser  verdadeiramente novo,
dom gratuito e inexigível do Pai,
nova criatura no Santo Espírito.
Não se trata de uma demonstração,
mas de um SIM e  de uma missão.

A concepção virginal revela que o Senhor
escolheu os pobres para realizar a salvação.
A virgindade, considerada maldição pelos judeus,
foi abraçada por Maria como certeza.
Na humildade do SIM a aproximação do Reino dos Céus.
E a salvação veio a nós como dom de Deus.

A virgindade de Maria
é expressão de sua consagração total a Deus.


Emerson Sbardelotti 
22 de junho de 2012
14:12