sexta-feira, 9 de maio de 2014

QUEM ESTÁ CONTRA FRANCISCO?

QUEM ESTÁ CONTRA FRANCISCO?



Não sou de olhar sites e páginas de fundamentalistas e fanáticos religiosos, muito menos de ultraconservadores da Igreja Católica Apostólica Romana; mas, devido a boatos que a cada dia observo que estão aumentando nas redes sociais, comecei a reparar tais páginas e sites e ler suas publicações.
Me assustei com tamanha raiva e indignação contra o Bispo de Roma.
Os curtidores e seguidores de tais páginas e sites não escondem sua decepção com os rumos que o Papa Francisco está aplicando na Igreja. Percebo que eles se sentem órfãos com a morte de João Paulo II e com a renúncia de Bento XVI.
O Papa vindo do fim do mundo tem incomodado muitas pessoas fora da Igreja e  criado muitos inimigos dentro dela. Não é a toa que ele nos pede diariamente para que rezemos por ele.
Vendo suas fotos de um ano atrás e as recentes publicadas no site do Vaticano, tenho a impressão que o padre Bergoglio envelheceu demais, ele, porém, sempre com um sorriso, diz que o trabalho é árduo mas que está gostando, assim seja. 
As más línguas dizem que ele não fará um pontificado longo e esperam que não consiga realizar as mudanças que almeja.
Inclusive um dos sites que visitei para ver com meus próprios olhos as inverdades, as loucuras, os devaneios contra o Papa Francisco, dizia assim, em um comentário fundamentalista: "Será que é pecado pedir a Deus que este papado termine logo?"
A pessoa está pedindo a morte do Papa! É isso mesmo, ou entendi errado?
Como que uma criatura dessa pode ainda entrar na fila da comunhão e bater no peito e dizer que é católico?
Para pessoas com esse tipo de pensamento é muito complicado abrir mão do poder e colocar em seu lugar o carisma.
Este Papa tem um projeto de refundação da Igreja! Isto é o que significa o seu nome: Francisco.
Este Papa se orienta apenas por um livro: o Evangelho de Jesus de Nazaré.
Este Papa prega uma Igreja da Misericórdia ao invés da punição; uma Igreja do Carisma ao invés do poder; uma Igreja da Opção pelos Pobres ao invés do lucro do mercado.
Ele afirma sem medo que a desigualdade é a raiz dos males sociais, e está corretíssimo. Vai além quando pede políticas públicas para reduzir a pobreza e as desigualdades sociais.
Nos dois papados anteriores ao de Francisco, se tinha um cenário de Igreja que dialogava com cismáticos, aqueles que negaram e negam o Concílio Vaticano II, por conseguinte não respeitaram e não respeitam nenhuma orientação que foi dada após este evento, e só souberam e sabem criticar e atrapalhar a caminhada; em contrapartida, estes papados não se esforçaram para dialogar com os teólogos e teólogas da libertação, foram mais de 20 anos, de perseguições, notificações, censuras...e pasmem, tais teólogos e teólogas nunca se desligaram da Igreja, alguns abandonaram o ministério ordenado, mas ainda hoje, é muito fácil de encontrá-los trabalhando e se doando a uma comunidade eclesial de base, a uma pastoral social, a um movimento social, ensinando numa universidade ou em cursos de teologia para leigos. 
Foi preciso um Papa da América Latina e do Caribe fazer esta reaproximação. Reaproximação que tem provocado erupções vulcânicas dentro das paredes do Vaticano e nas Conferências Episcopais espalhadas pelo mundo.
Infelizmente são vários os inimigos que Francisco está colecionando, estes não irão confronta-lo diretamente, mas farão a política da inércia: o Papa fala, escreve, pede, mas o cara deixa entrar por um ouvido e sair pelo outro e não faz nada - essa é a melhor maneira de acabar com um projeto; porém, ele também está colecionando vários amigos e amigas, pessoas que haviam se afastado da Igreja por conta do direcionamento anterior, viram que este Papa quer reencontra-los, quer abraça-los, sem distinção, sem discriminação.
Peço a você que está lendo este texto, que hoje, na hora de dormir, ou naquela folga no seu emprego, reze a Deus para ajudar e fortalecer o querido Papa Francisco.
Da nossa parte, poderemos formar grupos de apoio ao Papa: trabalhando em nossas comunidades eclesiais de base, junto às pastorais sociais, estudando a Evangelli Gaudium, conhecendo um pouco mais o Jesus Histórico e perceber que Francisco não tem feito outra coisa, do que colocar na prática os ensinamentos do Moreno de Nazaré.
Faça sua parte, se engaje em uma pastoral social, crie grupos de debate, questione. O Papa quer que sejamos revolucionários, que estejamos em movimento, que possamos ir para a rua e que tenhamos nós também o cheiro das ovelhas.
Que a Indígena Guadalupe, que a Negra Aparecida e São João XXIII intercedam a Deus pelo Papa Francisco e por nós que desejamos uma Igreja a cada dia mais profética e comprometida com a defesa constante da Vida e com a opção evangélica pelos pobres.

Emerson Sbardelotti
Mestrando em Teologia Sistemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 
Bacharel em Teologia pelo Instituto de Filosofia e Teologia da Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo. 
Licenciado em História pelo Centro Universitário São Camilo, Vitória - ES.
Bacharel em Turismo pela Faculdade de Turismo de Guarapari - ES.
Autor de O Mistério e o Sopro - roteiros para acampamentos juvenis e reuniões de grupos de jovens. Brasília: CPP, 2005 (www.cpp.com.br).
Autor de Utopia Poética. São Leopoldo: CEBI, 2007 (www.cebi.org.br).
Correio eletrônico: est_capixaba@yahoo.com.br


segunda-feira, 31 de março de 2014

TdL: encontros para grupos de jovens da Pastoral da Juventude

TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO
encontros para grupos de jovens da Pastoral da Juventude





Encontro 1: A ORIGEM


Preparando o ambiente: A bandeira da PJ aberta no chão; almofadas para os membros do grupo se sentarem; ao centro a Bíblia aberta em Lc 24, 13-35; música instrumental; incenso.

Oração inicial: Ofício Divino da Juventude (nova edição).
No momento da proclamação da leitura bíblica, usar a indicada acima, usar a Bíblia Pastoral, ou a de Jerusalém e ou a do Peregrino. Se preparada com antecedência poderá ser encenada, usando todos os espaços do local onde se reúne o grupo.

Dinâmica: A origem de cada um, de cada uma.
Cada participante receberá uma folha em branco e uma caneta e escreverá ali a sua árvore genealógica: bisavós – avós – pais – tios – primos – irmãos, etc. Enquanto escrevem, escutam a música PARATODOS (Chico Buarque), com o fim da música quem coordena observa se todos já terminaram, se não, toca novamente a música. Ao término, todos se apresentam e apresentam sua árvore genealógica.

Para início de conversa: Como nasceu a Teologia da Libertação?

            A Teologia da Libertação ou TdL, nasceu da herança profética do Concílio Ecumênico Vaticano II (1962-1965) que ao voltar às fontes da fé cristã, fez com que a Igreja espalhada pela América Latina e Caribe, a partir da Conferência de Medellín (1968) relesse e revisse sua história a partir da pedagogia e prática libertadora do Moreno de Nazaré e se deixasse inundar por sua Palavra e por suas ações, tomando a decisão de se colocar ao lado dos Pobres; esta decisão incomodou os poderosos, que não tiveram dúvidas que para calar a muitos a solução seria responder com violência e assassinatos. O contexto era o das ditaduras militares na América Latina e Caribe patrocinadas pelos Estados Unidos.
            Em suma, uma teologia contextualizada ligada a dois eventos fundamentais da Igreja – ao Vaticano II e sua teologia – e à Conferência de Medellín. A Igreja do Continente vivia sob o impacto dos movimentos sociopolíticos de libertação, da teoria da dependência, da pedagogia de Paulo Freire e de outros fatores culturais.
            Antes do Vaticano II se assistia à missa. Depois dele se participa da celebração eucarística. Quem assiste comporta-se passivamente. Quem participa, atua. Quem diz missa, pensa num rito pronto. Quem fala de celebração eucarística, entende-se envolvido num momento de vida; já diria o saudoso padre João Batista Libanio.
            No final da década de 1960, o padre dominicano Gustavo Gutiérrez, nas periferias de Lima, no Peru, em suas assessorias no meio daquela gente simples ia trabalhando uma ideia baseada na situação real dos pobres. Gutiérrez via neles o rosto do Cristo crucificado, do Cristo desprezado pelos seus, do Cristo desfigurado...como tantos rostos espalhados pelo Continente. Era preciso libertá-los. Com a Conferência de Medellín, tendo Gutiérrez sido um dos teólogos especialistas a participar dela, sabedor de que ali estava se colocando em prática o aggiornamento querido pelo Santo João XXIII, e as propostas do Concílio, principalmente aquelas brotadas da Constituição Pastoral Gaudium Et Spes.
Gaudium et spes ousou em termos conciliares em ser o primeiro documento na história da Igreja em que um Concílio toma posição em face das realidades terrestres, de maneira positiva, sob a perspectiva da fé. Vê nelas a presença criadora e salvadora de Deus. O conflito interpretativo dava-se entre a visão conservadora que dividia a realidade humana em natural e sobrenatural e a visão integradora e integrada da Transcendência e imanência. Na primeira perspectiva entram os movimentos espiritualistas daquele tempo e os movimentos religiosos de hoje em dia, enquanto a Teologia da Libertação insere-se nas esteiras da segunda. Tão forte o dualismo impregna a mente tradicional e fundamentalista que até hoje persiste tal tensão.
Gustavo Gutiérrez lança as bases em 1971 com a obra prima Teologia da Libertação – Perspectivas (que define o método e as principais pautas temáticas). Deslocando o acento da teologia como sabedoria, como saber racional, para a forma de reflexão crítica da práxis. Afirma-se como um novo modo de fazer teologia e não como tema ou tratado teológico.
Em 1970, o frei Leonardo Boff lançará o livro O Cristo Cósmico, que passará despercebido. Mas seu próximo livro Jesus Cristo Libertador, juntamente com o de Gutiérrez irá abrir corações e mentes para a teologia latina americana e caribenha que estava ganhando espaço: a Teologia da Libertação. O próprio Gutiérrez confessou várias vezes que as intuições originárias da Teologia da Libertação nasceram no Brasil da década de 1960 por conta da crítica consciente feita em vários ambientes dentro e fora da Igreja, e como eles se coligavam.
Ainda na década de 1970, o frei Clodovis Boff elaborará, em termos mais profundos, a metodologia da TdL, dando-lhe um estatuto teórico sólido.
Segundo o padre Juan Luis Segundo, a originalidade da TdL consiste em não buscar uma simples melhor compreensão da fé cristã diante da problemática intelectual do momento presente. Mas ir mais longe. Foi antes de tudo, uma libertação da teologia dos moldes europeus para responder a nossa situação. Por isso, ela parte dos problemas da América Latina. 


Iluminando com a Palavra:

Lc 4, 14-30.

Partilhando a Palavra:

            Jesus retorna a Galileia com a força do Espírito e sua fama se espalha por todas as regiões, inclusive na sua pequena Nazaré. Na sinagoga, num sábado, proclamou uma profecia de Isaias e ao final ele diz com toda calma e alegria: “Hoje se cumpriu essa passagem da Escritura, que vocês acabam de ouvir.”
            Os próprios compatriotas não acreditaram nele e quiseram lhe fazer o mal.
            Será que toda novidade, toda nova visão da realidade, prejudica a caminhada da comunidade?
            Como entendemos hoje esta profecia de Jesus?

Compromisso da semana:

            Procurar artigos e textos que falem e expliquem a origem da Teologia da Libertação no Brasil e na América Latina e Caribe, sobre o Concílio Ecumênico Vaticano II e sobre a Conferência de Medellín. Ler os artigos e textos e anotar os pontos principais, como também as dúvidas. Elas serão colocadas em comum no próximo encontro.

Se programe e compre estes dois importantes livros:

            GUTIÉRREZ, Gustavo. Teologia da Libertação: Perspectivas. São Paulo: Loyola, 2000.
            BOFF, Leonardo. Jesus Cristo Libertador. Petrópolis: Vozes, 2012.


Blogs de apoio e pesquisa:

            Nestes dois blogs há vários textos dos principais teólogos da libertação em atividade.

  1. http://teologiadalibertacaoemmutirao.blogspot.com.br/
  2. http://omisterioeautopia.blogspot.com.br/

Ajudando a refletir:

  1. Qual foi a importância do Concílio Ecumênico Vaticano II para a origem da Teologia da Libertação?
  2. Qual foi a importância da Conferência de Medellín para a origem da Teologia da Libertação?
  3. A Teologia da Libertação é antes de tudo uma libertação da teologia. Explique.


Emerson Sbardelotti
Mestrando em Teologia Sistemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

domingo, 9 de fevereiro de 2014

JUSTIÇA E PROFECIA A SERVIÇO DA VIDA!

JUSTIÇA E PROFECIA A SERVIÇO DA VIDA!



            O que posso dizer destes dias em que vivi na Diocese do Crato, em Juazeiro do Norte, no Cariri, do Ceará de Padre Cícero, no Ceará de Patativa do Assaré, no Ceará do 13º. Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base?
            Próximo ao mistério de Deus no meio de tantos romeiros, tantas romeiras, prefiro me calar e lembrar na mente e em meu coração, momentos que nunca se apagarão...que estão cravados para sempre.
            Tive a imensa alegria de ser adotado pelo povo guerreiro do Norte I: Amazonas e Roraima, que me abraçaram, que me beijaram, como se eu já estivesse com eles a muito tempo e que nosso encontro fosse um reencontro...neste momento as lágrimas rolam por saudade e por amor a todos, todas que daqui para frente estarão em minhas orações e lembranças...e são muitas...muitos risos também...quero reencontrá-los, reencontrá-las em breve.
            Fui acolhido por uma família especial do Cariri, do Crato/CE, a Família Lobo: me deixaram a vontade com meu novo irmão, eu tenho um irmão indígena...(risos)...o querido Delmir, que deve chegar em breve em Belém do Pará...é um choro de alegria o de agora e de muita saudade...saudade das minhas novas irmãs, do meu novo irmão, de painho e mainha.
            No dia 07 de janeiro, após o credenciamento me dirigi para Assaré, a cidade do poeta profeta Patativa. Que alegria estar ali naquele pequeno lugarejo de onde brotou um verdadeiro ser humano. Eu agora sei que minha pesquisa em torno dele será ainda mais difícil, pois parafraseando Luiz Gonzaga a respeito de Jackson do Pandeiro: “Quando a gente encontra alguém que é muito melhor...a única coisa a se fazer é ficar quieto”. Ao conversar com as meninas da Casa da Memória Patativa do Assaré, e ver nos olhos delas, o amor pela história do grande mestre do Assaré, é que senti que ainda tenho muito a fazer e a crescer enquanto ser humano, poeta e cantador.
            Voltei de lá com a sacola cheia de livros, discos e um documentário, enquanto escrevo esta memória, ouço e canto uma canção chamada SINA (Raimundo Fagner / Ricardo Bezerra / Patativa do Assaré):

Eu venho desde menino
Desde muito pequenino
Cumprindo o belo destino
Que me deu Nosso Senhor

Não nasci pra ser guerreiro
Nem infeliz estrangeiro
Eu num me entrego ao dinheiro
Só ao olhar do meu amor

Carrego nesse meus ombros
O sinal do Redentor
E tenho nessa parada
Quanto mais feliz eu sou

Eu nasci pra ser vaqueiro
Sou mais feliz brasileiro
Eu num invejo dinheiro
Nem diploma de doutor...

            A noite celebramos a abertura dos trabalhos. E abracei Reginaldo Veloso e Zé Vicente e outros artistas da caminhada.
E começou no dia 08, de fato, o Intereclesial, com uma linda celebração e tantas vozes e chapéus, que eu disse baixinho: “Obrigado Jesus por revelar seu amor aos pequeninos”...e o Caldeirão esquentou ainda mais quando Francisco, bispo fraterno de Roma nos mandou sua mensagem de amor, afago e carinho...quando um irmão indígena nos lembrou que podem nos tirar tudo, mas nunca irão matar nossas raízes...e assim...a paz!
            Depois de dez anos, abracei meu querido irmão e amigo Vilsom Basso, scj, hoje bispo de Caxias – MA...e assim...a paz!
E reencontrei a família do querido amigo e irmão Zé Martins num vagão...ops...num rancho em sua homenagem...ao abraçar a Angela e as filhas do Zé...a emoção foi grande demais...e assim...a paz!
            Todos os dias as famílias, apesar do calor e do cansaço, nos recebiam com sorrisos, beijos e abraços e isso nos dava ainda mais força.
            No dia 09 saímos em missão, visitando paróquias e conhecendo um povo lindo...ouvimos histórias, recitação de cordel, deixamos chapéus e levamos no peito a certeza que Deus está muito mais perto dos pobres do que imaginamos. E vimos neles os profetas e profetisas que ainda não somos...mas estamos a caminho...e assim...a paz!
            No mesmo dia, subimos ao Horto de nosso Padim Padi Ciço...fomos pedir sua benção, fomos rezar os mártires de nossa caminhada: todos, todas. Foi lida a Carta fraternal que será enviada ao querido Papa Francisco.
            No dia 10 retornamos aos ranchos, depois de ouvirmos um animado Luis Mosconi, fiel romeiro e articulador das santas missões populares e o querido Frei Carlos Mesters, que no alto de sua simplicidade nos ensinou como trabalhar com o povo a partir dele próprio e da Palavra de Deus. A noite cantamos com Zé Vicente e os artistas da caminhada.
            No dia 11 escolhemos o Paraná como estado que acolherá o próximo Intereclesial das Cebs, o 14º., na cidade de Londrina.
            Depois partimos em romaria para o que seria a caminhada jubilar em homenagem ao centenário da Diocese do Crato. Depois aconteceu a Missa de Envio e com a lua surgindo, nos abraçamos uma vez mais, numa irmandade linda, desejosos de nos reencontrar nessas estradas todas da vida e manter sempre viva a profecia, defendendo a vida, lutando por justiça.
            Que Deus nos abençoe.
            Que Deus vos abençoe.
            Amém. Axé. Awerê. Aleluia.


Emerson Sbardelotti
12 de dezembro de 2014
23:45

Vitória do Espírito Santo

EU VENHO DE LONGE



EU VENHO DE LONGE

Eu venho de longe, eu venho de lá
De uma época que não é a de agora
De uma vida sofrida e tão comprida
Que só o canto é o que consola
Desde os meus tempos de menino
Vejo a vida ser exterminada
Meus olhos cheios de lágrimas
E o corpo sem força para nada

Mas eu tenho a minha poesia
E com ela eu insisto em falar
Verdades inquietas que incomodam
Para que a sociedade possa mudar

Eu venho de lá, eu venho de longe
Trago nas mãos o peso dos dias
De uma época que não é a de agora
Semeando amor e fechando feridas
Desde os meus tempos de menino
Vejo minha gente ser maltratada
Fecho os meus olhos e a alma viaja
Minhas mãos cansadas e calejadas

Mas eu tenho a minha poesia
E com ela eu insisto em falar
Verdades inquietas que incomodam
Para que a sociedade possa mudar

Emerson Sbardelotti
09 de fevereiro de 2014
16:06
*direitos reservados*

O PENSAMENTO EURÍSTICO DE JOÃO BATISTA LIBÂNIO

O PENSAMENTO EURÍSTICO!
Emerson Sbardelotti Tavares[1]



"O que é o pensamento eurístico? É aquele pensamento que depois de ler alguém, conhecer alguém, eu começo a pensar!" João Batista Libanio

            Conheci o padre João Batista Libanio, no ano de 1985, Ano Internacional da Juventude. Ele havia sido um dos conferencistas naquele final de semana e nos falava sobre o Mundo dos Jovens (título dado a um de seus livros sobre e para a Juventude), as expectativas que se abriam no limiar da história da juventude brasileira. Com imensa humildade, amor e humor, o padre Libanio se aproximava de nós como verdadeiro assessor, pois suas inquietações nos levavam a pensar sobre o que estávamos vivendo na realidade de então. Ele nos fazia perguntas fáceis, mas que necessitavam de demoradas respostas, respostas ruminadas, respostas que fizessem o grupo crescer.
            Ele em todos os seus livros, didaticamente, sempre fez questionamentos que iam, vão, no mais íntimo de nosso ser. Mesmo sendo um Doutor em Teologia, não abria mão de estar no meio dos pobres, do Povo Santo de Deus, apesar de toda erudição que tinha, conseguia conversar de forma simples, delicada, para cada público um discurso, sempre coerente e vivo.  Aprendi com ele e tento a cada dia viver: um bom teólogo não pode estar nunca somente na academia, ele tem que estar onde o povo está, caso contrário de nada valerá a teologia que recebeu e que faz!
            Eu não conhecia os escritos do padre Libanio, mas conhecia os de seus amigos queridos: Leonardo Boff e Carlos Mesters. Através dos livros destes dois, e também depois daquela conferência, comecei a comprar seus livros, e assisti-lo em VHS que uma editora católica produzia, vídeos sobre Espiritualidade, Teologia, Jesus de Nazaré. Ele falava sobre todos os campos da teologia com imensa facilidade, convicção e clareza. Foi a partir do estudo de sua obra que comecei a entender melhor o que era a Teologia da Libertação.
            Autor de 125 livros, sem contar artigos, não se recusava a escrever de próprio punho, cartas respondendo perguntas ou me concedendo uma entrevista. Em todos os nossos encontros, e não foram poucos, sempre trazia o recente livro, autografado, e eu lhe dizia que um dia escreveria e também o presentearia. “Estarei esperando...” sempre dizia e sorria.
            Em 2012, nos agradecimentos da monografia Ecoteologia: dos gritos dos pobres ao grito da Terra na perspectiva da Teologia da Libertação em Leonardo Boff, que apresentei, assim está escrito:
Aos teólogos e teólogas da libertação, pela coragem e pelo testemunho de fé e vida frente às perseguições e martírios. A Leonardo Boff, João Batista Libanio, Marcelo Barros, Carlos Mesters e D. Pedro Casaldáliga, que mantêm viva a fé e a fiel esperança”. Lhe enviei um arquivo para seu email com a mesma, e ele respondeu: “Obrigado. Siga em frente!”. Neste ano tive o prazer de reencontrá-lo, o que seria a nossa última vez juntos, no Congresso Continental de Teologia, ocorrido na Unisinos – RS. Neste Congresso, eu lhe entreguei meus dois primeiros livros: O Mistério e o Sopro – roteiros para acampamentos juvenis e reuniões de grupos de jovens. Brasília: CPP, 2005 e Utopia Poética. São Leopoldo: CEBI, 2007. O que ele com um imenso sorriso me disse: “Até que enfim...parabéns...siga em frente!” Na ocasião lhe perguntei se em meu terceiro livro (que ainda não está concluído) ele faria a apresentação? “Seria um prazer. Afinal, temos que dar apoio aos novos teólogos da libertação!”. Como era bondoso o professor Libanio...me chamar de novo teólogo da libertação. Ao escrever me emociono lembrando destas palavras, e peço a Deus, que essa profecia se cumpra. Infelizmente no último dia 30 de janeiro de 2014, o Moreno de Nazaré o chamou para junto dele. Fico com a lembrança do professor bondoso, inteligente, bem humorado e cheio de amor pela teologia e pelo povo.
Da minha parte irei me dedicar com afinco ao Mestrado em Teologia Sistemática. Ele me enviou um email dizendo: “Parabéns por mais esta conquista, não se esqueça nunca do povo.
Em nossa última conversa, dias antes de começar a Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude, falávamos sobre a juventude, sobre o processo da educação da fé e ele sempre me pedia, me dizia isso: "que tenha coragem de lutar por uma pastoral livre, corajosa e libertadora"!
Obrigado professor querido por tudo o que semeou entre nós. A Teologia e a Teologia da Libertação perde um de seus maiores mantenedores do diálogo e do respeito, a Igreja perde um de seus maiores pensadores contemporâneos.
E eu sigo por aqui, nas suas pegadas, com amor, humor e humildade.
Até o nosso próximo encontro Libanio.


ENTREVISTA COM JOÃO BATISTA LIBANIO

EM ABRIL DE 2002

João Batista Libanio, padre jesuíta, teólogo, educador e escritor, Belo Horizonte/MG

Esta entrevista foi concedida ao Jornal ESPERANÇA JOVEM, da Pastoral da Juventude, da Paróquia Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Cobilândia, Vila Velha-ES.

Entrevistado por Emerson Sbardelotti Tavares

EMERSON – O que é a Teologia da Libertação? É a única teologia da América Latina? É a melhor?

LIBANIO: A Teologia da Libertação é, antes de tudo, uma libertação da Teologia. Ela quer ser uma teologia para a nossa situação e não simples xerox da teologia de outros países. Ao querer ser uma teologia para a América Latina, ela parte dos problemas da América Latina. Ora o maior problema que nós vivemos é a situação de opressão, de exploração das grandes massas populares. E a única maneira de superar uma situação de dominação é lutar pela libertação. Queremos, como cristãos, embarcar nessa luta pela libertação dos pobres, motivados e iluminados pela nossa fé.

A TdL é a teologia que motiva e ilumina o cristão na luta pela libertação. Por isso se chama Teologia da Libertação. Ela não organiza, nem faz a libertação. Isso fazem os homens e mulheres que estão lutando. Ela quer simplesmente ajudar esses homens e mulheres, que são cristãos, a verem o que a sua fé diz sobre tal luta, motivando-a, iluminando-a, criticando-a nos pontos em que possa ter entrado algo de anti-cristão. O papel da TdL é muito importante para sustentar a fé do cristão comprometido. Pois vimos com tristeza no passado muitos cristãos que, ao engajarem-se na luta, perderam a oposição entre fé e política, entre fé e luta libertadora, entre fé e compromisso social. Mostrar isso é uma das maiores tarefas da TdL.

Ela não é a única teologia da América Latina, mas aquela que nasceu aqui e se orienta para a nossa situação. Não se trata de comparar mas de ver sua relevância e pertinência para nossa situação latino-americana.


EMERSON – As CEBs são ainda um fenômeno ou não representam mais um novo jeito de ser Igreja?

LIBANIO: As CEBs são ainda verdadeiro jeito de ser Igreja. Mas há vários tipos de CEBs. Há aquelas que amadureceram. Há outras que fraquejaram e outras que desapareceram.
As CEBs têm manifestado uma capacidade criativa no campo da liturgia precisamente lá onde o ministro ordenado não chega regularmente. Elas continuam revelando um compromisso libertador, firme e decidido, sem talvez a aura militante de outras décadas, mas não menos sério e eficiente. Enfim, aí esta a vida das CEBs em sua beleza simples e corajosa.

EMERSON – Num mundo globalizado e globalizante, qual é o cenário de Igreja que sobressai atualmente na América Latina e Brasil?

LIBANIO: Predomina ainda na Igreja Católica, o cenário da Instituição. A preocupação interna com sua estrutura ainda é muito acentuada. No entanto, há sinais de um forte sopro carismático que vivifica toda a Igreja e flexibiliza suas instituições. Há crescente apreço à Palavra de Deus, às liturgias da Palavra, ao estudo da fé. E também ainda permanece animador em muitos setores da Igreja um entusiasmo no compromisso com o processo libertador dos pobres.

EMERSON – O que deve representar o estudo da teologia para a PJB? E o que a PJB deve representar para a teologia?

LIBANIO: Muito. A teologia é a busca de intelecção de fé. Na idade jovem se é mais exigente quanto as razões para crer. Deixa-se de ser criança que freqüenta a religião pelas mãos dos pais. Agora o jovem anda com suas pernas. Em termos de fé, significa aprofundá-la. E para fazê- lo, nada melhor que a teologia. E, por sua vez, a teologia também deve levar em consideração as perguntas que os/as jovens lhe levantam. Eles/as são como a febre do organismo da sociedade. Revelam a existência da infecção sem talvez apontar para qual ela seja exatamente. E a teologia percebendo tal aviso e alarme mergulha no problema e aprofunda.

EMERSON – Qual a mensagem que o sr. daria para os nossos grupos de base da PJB?

LIBANIO: Num mundo de desesperança e desânimo, ser um sinal de coragem e engajamento. Num mundo que só valoriza o presente, acreditar no futuro, forjando utopias. Num mundo hedonista, mostrar que o verdadeiro prazer está na entrega de si aos outros. Num mundo de corrupção política, exercer vigilante controle sobre a administração pública para evitar a malversação dos bens públicos. Num mundo de violência, revelar a liberdade e transparência acolhedora da tolerância e do amor. Enfim, anunciar em palavras e ações que é possível criar uma sociedade alternativa a esta que aí está, começando já no seu meio juvenil o ensaio do mundo futuro de fraternidade, igualdade, acolhida, paz e amor.

EMERSON – Pe. Libanio, nas comemorações de 75 anos de tua existência só temos agradecer a sua valiosa contribuição para o crescimento de nossos jovens, de nossas jovens na caminhada de PJB. Muito obrigado!



[1] Mestrando em Teologia Sistemática pela PUC-SP (Campus Ipiranga); Bacharel em Teologia pelo Instituto de Filosofia e Teologia da Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo; Licenciado em História pelo Centro Universitário São Camilo/ES (Campus Vitória); Bacharel em Turismo pela Faculdade de Turismo de Guarapari/ES; Autor de O Mistério e o Sopro – roteiros para acampamentos juvenis e reuniões de grupos de jovens. Brasília: CPP, 2005 (www.cpp.com.br); Autor de Utopia Poética. São Leopoldo: CEBI, 2007 (www.cebi.org.br). Assessor para as áreas de Mística e Espiritualidade, Juventude, Bíblia e Liturgia. Correio eletrônico: prof.poeta.emerson@gmail.com.